Evidencias científicas e conhecimento disciplinar de enfermagem

Paulo Joaquim Pina Queirós

DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2022.62.19

Resumen

Objetivo: identificar e analisar as origens e a natureza do conhecimento em enfermagem e o conceito de evidência no contexto de enfermagem.

Método: pesquisa bibliográfica livre, reflexão crítica e construção de síntese reflexiva.

Resultados: identificação da enfermagem como disciplina do conhecimento e ciência humana prática que existe em função de uma ação, cujos conhecimentos tem origem em fontes processuais, tais como; investigação, tradição e experiência. E ainda, operações mentais, como sejam; intuição, imaginação, reflexão e heurísticas. Fontes que alimentam o conhecimento privado e público de enfermagem, sintetizado em padrões de conhecimento, saberes próprios diversificados e específicos.

Conclusão: o conhecimento em enfermagem estrutura-se através de processos específicos em espiral hermenêutica e operações concretas, com base na reflexão, sintetizam saberes, com origem em fontes processuais, e em operações mentais. Saberes que beneficiam dos processos de translação, conceito distinto e muito para além da noção esquemática, de aplicação na prática de teorias ou de evidências científicas. Explicado no âmbito da epistemologia da prática. A enfermagem como conhecimento disciplinar e científico necessita de apurar, o conceito de evidência científica, acompanhando a discussão acerca dos limites e possibilidades da ciência e da sua conjugação com outras formas de saber, numa verdadeira ecologia de saberes.

Palabras clave

Enfermagem; conhecimento; ciência

Texto completo:

PDF Estadísticas

Referencias

Alarcão, I; Tavares, J. (2003). Supervisão da prática Pedagógica. Uma perpectiva de desenvolvimento e aprendizagem. Coimbra: Edições Almedina.

Benner, P. (2001). De iniciado a perito: Excelência e poder na prática clínica de enfermagem. Coimbra: Quarteto Editora.

Bishop, A.; Scudder, J. (1995). Applied Science, ractice and Intervention Technology. In A. Omery, C. Kasper, G. Page (Eds.), In Search of Nursing Science (pp. 263-274). London: SAGE Publications.

Bourdieu, P. (1972). Esquisse d'une théorie de Ia pratique. Tradução das partes: "Les trois modes de connaissance" e "Structures, habitus et pratiques". In: Esquisse d'une théorie de Ia pratique. Geneve, Lib. Droz, 1972. p. 162-89. Acedido a 9/2/2018 em: https://pt.slideshare.net/Guida2010/esbocodeumateoriadapraticapierrebourdieu

Carper ,B. (1978). Fundamental Patterns of knowing in Nursing”. Advances in Nursing Science, 1(1), pp.13-24. https://journals.lww.com/advancesinnursingscience/Citation/1978/10000/Fundamental_Patterns_of_Knowing_in_Nursing.4.aspx

Chinn, P.; Kramer, M. (2008). Integrated Theory and Knowledge Development in Nursing, 7Th ed. St.Louis MO: Mosby Elvesier.

Craig, J.; Smyth, R. (2004). Prática Baseada na Evidencia. Manual para Enfermeiros. Loures, Portugal: Lusociência.

Dreyfus, H.; Dreyfus, S. (1986). Mind over Machine: The power of human intuition and expertise in the era of computer. New York: Free Press.

Gadamer, H.G. (1975). Truth and method. 2ª ed.. London: Sheed and Ward.

Hesbeen, W. (2000). Cuidar no Hospital. Enquadrar os cuidados de enfermagem numa perspectiva de cuidar. Loures: Lusociência-Edições Técnicas e Científicas, Lda.

Kim, H.S. (2010). The Nature of Theoretical Thinking in Nursing. 3th. ed. New York: Springer Publishing Company.

Kim, H.S. (2015). The Essence of Nursing Practice. New York: Springer Publishing Company.

Medina, J.L. (1999). La Pedagogía del Cuidado: Saberes y Práticas en la Formación Universitaria en Enfermería. Barcelona: Laertes S.A. de Ediciones.

Meleis, A.I. (2010). Transitions Theory. Middle-Range and Situation-specific theories in nursing research and practice. New York: Springer Publishing Company.

Meleis, A.I. (2012). Theoretical Nursing. Development and Progress. 5th ed. Pennsylvania: Wolters Kluwer Health/Lippincott Williams & Wilkins.

Meleis, A.I.; Trangenstein, P. (1994). Facilitating Transitions Redefinition of the Nursing Mission. Nursing Outlook, 42, 255-259. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7885855

Morin, E. (2008). Introdução ao Pensamento Complexo. 5ª ed. Lisboa: Instituto Piaget.

Nunes, J.A. (2008). O resgate da epistemologia. Revista Crítica de ciências Sociais. 80 (2008). Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/33806/1/O%20resgate%20da%20epistemologia.pdf

Nunes, L. (2017). Para uma Epistemología de Enfermagem. Loures, Portugal: Lusociência.

Ordem dos Enfermeiros (1996). Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-lei nº 161/96 de 4 de Setembro.

Phenix, (1964). Realms of Meaning: A Philospphy of the Curriculum for General Education. New York: McGraw-Hill.

Queirós, P. (2016). Enfermagem, uma ecologia de saberes. Cultura de los cuidados. (Edición digital), 20(45). Disponible en: < http://dx.doi.org/10.14198/cuid.2016.45.15>

Schön, D. (1992). La formación de professionales reflexivos. Hacia un nuevo diseño de la enseñanza y el aprendizaje en las profesiones. Barcelona: Ediciones Paidós.

Sousa-Santos, B. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de ciências Sociais. 78 (2007). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000300004

Strasser, S. (1985). Undertanding and explanation: Basic ideas concerning the humanity of the human sciences. Pittsburg: Duquesne. University Press.

White, J. (1995). Patterns of knowing: review, critique and update. Adv Nurs Sci. 17(4): 73-86.

White, J. (2014). Through a Socio-political Lens: The Relationship of Practice, Education, Research, and Policy to Social Justice. In Paula N. Kagan, Marlaine C. Smith, Peggt L.

Chinn (Eds.), Philosophies and Practices of Emancipatory

Nursing: Social Justice as Praxis, (pp. 298-308). New York: Routledge.

White, J.(1995). “Patterns of Knowing: review, critique and update”. Advances in Nursing Science, 17 (4), pp.73-86. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7625782




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2022.62.19





Copyright (c) 2022 Paulo Joaquim Pina Queirós

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.