Missão Parsons: uma reflexão sobre os efeitos imediatos para a implantação da enfermagem moderna

Tânia Cristina Franco Santos, Antônio José de Almeida Filho, Kyvia Rayssa Bezerra Teixeira, Marianne Cardoso Batalha

Resumen

Objetivo: refletir sobre os efeitos imediatos da Missão de Cooperação Técnica para o Desenvolvimento da Enfermagem no Brasil, chefiada por Ethel Parsons. Método: trata-se de uma reflexão teórica sobre os efeitos imediatos da atuação da missão de enfermeiras lideradas por Ethel Parsons, compreendendo o período de 1921 a 1931. Resultados: A Missão Parsons proporcionou importantes efeitos para a implantação da enfermagem no Brasil, como a criação de uma escola de enfermagem nos moldes anglo-americano, primeira no país organizada e dirigida por enfermeiras; um hospital geral de assistência que atendesse as necessidades de prática dessas novas profissionais, vinculado a escola de enfermagem; um serviço de enfermeiras de saúde pública no Departamento Nacional, ao qual escola e serviços estavam vinculados; bem como a criação de emblemas e rituais institucionais, os quais conferiam visibilidade e moldes para a construção de uma identidade profissional. Conclusões: A Missão Parsons em seus 10 anos de atuação produziu efeitos significativos para a profissão de enfermagem no país, os quais proporcionaram visibilidade à figura da enfermeira diplomada e abriu caminhos para que a profissão galgasse mais posições de prestígio e atuação.

Palabras clave

História da Enfermagem; Enfermagem; Educação em Enfermagem; Identidade

Referencias

Baptista, S. S. (1997). Trajetória das escolas de enfermagem na sociedade brasileira. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 1 (3), 84-105.

Barreira, I. A. (1997). Os primórdios da enfermagem Moderna no Brasil. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 1 (esp), 161-76.

Barreira I. A., Baptista S. S., Sauthier, J., Santos, T. C. F., Peres, M. A., Oliveira, A. B. & AJ Almeida Filho (2015). Primeira República: a implantação da enfermagem laica e seus desdobramentos. Em M.I.C.S. Padilha, M.S. Borenstein & I. Santos (Org.). Enfermagem; história de uma profissão. São Caetano do Sul: Difusão Editora.

Bourdieu, P. (1998). A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Fallante, B. S. C. & Barreira, I. A. (1998). Significados da visita domiciliar realizada pelas enfermeiras de saúde pública nas décadas de 20 e 30. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 2 (3), 72-85.

Ferreira, M (1953). Discurso em sessão da Sociedade Brasileira de Higiene, realizada em memória de Ethel Parsons. Anais de Enfermagem, 4 (4), 228-230.

Pereira Neto, A. F (2001). Ser médico no Brasil: o presente no passado. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Peres, M. A. A., Brandão, A. P. C. L., de Dios Aguado, M., & Paim, L. (2021). Enfermería Brasileña: Herencia de Florence Nightingale en su concepción profesional. Cultura de los cuidados, 0(59-1), 41-49. https://culturacuidados.ua.es/article/view/2021-n59.1-Enfermer%C3%ADa-Brasile%C3%B1a%3A-Herencia-de-Florence-Nightingale-en-su-concepci%C3%B3n-profesional.








Copyright (c) 2022 Tânia Cristina Franco Santos, Antônio José de Almeida Filho, Kyvia Rayssa Bezerra Teixeira, Marianne Cardoso Batalha

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.