O cuidado integral em tempos de COVID-19: uma reflexão

Ana Beatriz Duarte Vieira

Resumen

A pandemia do SARS-CoV-2/COVID-19 gerou muitas mudanças no contexto público e privado, levantando questões morais, legais, políticas e sociais para o cotidiano da sociedade planetária. Esse artigo trata de reflexões acerca das temáticas da ética e do cuidado com a vida, as quais bruscas mudanças associaram-se ao desafio da viabilidade de sobrevivência e importância do cuidado relacional no contexto da pandemia. Ao imperativo do isolamento e distanciamento social, buscaram-se estratégias de proteção para um continuum social. Nesse contexto, as dimensões do cuidado edificaram-se a partir da noção da salutogênese e auto cultivo, que fundamenta um sistema de valores incorporando saberes para a saúde, qualidade de vida e o bem-viver. Infere-se que numa visão sistêmica, por meio de políticas públicas e de ajuda humanitária, novos princípios e valores nortearão a vivência futura tendo como foco a preservação da vida humana, o cuidado ético com a saúde e o cultivo planetário para ao bem viver da humanidade.


Palabras clave

Cuidado; ética; saúde; COVID-19.

Referencias

Aquino, Estela M. L., Silveira, Ismael Henrique, Pescarini, Julia Moreira, Aquino, Rosana, Souza-Filho, Jaime Almeida de, Rocha et al (2020). Medidas de distanciamento social no controle da pandemia de COVID-19: potenciais impactos e desafios no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25(Supl. 1), 2423-2446. https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.1.10502020

Ayres, José Ricardo de Carvalho Mesquita. (2005). Hermenêutica e humanização das práticas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 549-560. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232005000300013

Brasil. Lei 8080 de 19 de setembro de 1990, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm, e o Decreto 7508/11, de 28 de junho de 2011 que dispõe sobre a organização do SUS. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/D7508.htm. Obtido em 01/12/2013

Bachrack, E. (2015). En Cambio tu cérebro. Buenos Aires: Sudamericana.

Bauman, Z. (2004). Amor líquido. Rio de Janeiro: Ed. Zahar.

Behan, C. (2020). The benefits of meditation and mindfulness practices during times of crisis such as COVID-19. Irish journal of psychological medicine, 37(4), 256–258. https://doi.org/10.1017/ipm.2020.38

Bernard, L.K; & Curry, J. F. (2011). Self-Compassion: Conceptualizations, Correlates & Interventions Review of General Psychology. American Psychological Association, 15 (4), 289–303.

Bertini, Fatima Maria Araujo. (2014). Sofrimento éticos-político: uma análise do estado da arte. Psicologia & Sociedade, 26(spe2), 60-69. https://doi.org/10.1590/S0102-71822014000600007

Carvalho, Liliane Brandão, Alves, Ana Maria Ferreira, Passos, Clarissa Ale, Lopes, Fernanda Gomes, Holanda, Renata Bessa, & Moreira, Virginia. (2015). A ética do cuidado e o encontro com o outro no contexto de uma clínica-escola em fortaleza. Revista da Abordagem Gestáltica, 21(1), 01-12. Recuperado em 28 de fevereiro de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672015000100002&lng=pt&tlng=pt.

Dejours, C., Gernet, I. (2014). Psicopatologia del trabajo. Madrid: Mino y Dávila.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2011). Mil Platôs.São Paulo: editora 34 (1).

Germer, K. C., Siegel, R. D, & Fulton, P. R. (2016). Mindfullness e psicoterapia. Porto Alegre: Artmed.

Goldim, José Roberto. (2006). Bioética: origens e complexidade. Revista HCPA, 26(2):86-92

Lau, B. H., Chan, C. L., & Ng, S. M. (2020). Self-Compassion Buffers the Adverse Mental Health Impacts of COVID-19-Related Threats: Results From a Cross-Sectional Survey at the First Peak of Hong Kong's Outbreak. Frontiers in psychiatry, 11, 585270. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2020.585270

Lipton, B.H. (2007). A biologia da crença. São Paulo: Butterfly.

Madel, T. L., & BARROS, N. F. (2012). Racionalidades médicas e práticas interativas em saúde- estudos teóricos e empíricos. Rio de Janeiro: Cepesc/ ims/ UERJ/ Abrasco.

Martinez, M.A, & Rey, F. L.G. (1989) La personalidad: su educación y desarrollo. Cuba: Pueblo y Educacíon.

Maturana, H., & Varela, F. (1995). A árvore do conhecimento. São Paulo: Editorial psy.

Montagu, A. (1988). Tocar - o significado humano da pele. São Paulo: Summus editorial.

Moraes, W.A. (2006). Salutogênese e auto-cultivo: uma abordagem interdisciplinar: sanidade, educação e qualidade de vida. Rio de Janeiro: Instituto Gaia.

Morin, E. (2008). Introdução ao pensamento complexo. Lisboa :Instituto Piaget.

Neff KD (2003). Self-compassion: An alternative conceptualization of a healthy attitude toward oneself. Self and Identity, 2(2) 85–101. https://doi.org/10.1080/15298860309032.

Pivatto, S. Ética da alteridade. (2000). In: Oliveira, M. A. de. (Org.) Correntes fundamentais da ética contemporânea. Petrópolis: Vozes.

Rodrigues, P F., Alvaro, A. L. T., Rondina, R. (2016). Sofrimento no trabalho na visão de Dejours. Revista científica eletrônica de psicologia IV (7).

Rosenberg, T. (2012). Bem-vindo ao clube, como o poder dos grupos pode transformar o mundo. Rio de Janeiro: Campus.

Rosetti, D. L. (2018). Emoción y sentimentos. Buenos Aires: Planeta.

Scliar, Moacyr. (2007). História do conceito de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 29-41. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312007000100003

Selli, Lucilda, & Garrafa, Volnei. (2006). Solidariedade crítica e voluntariado orgânico: outra possibilidade de intervenção societária. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 13(2), 239-251. https://doi.org/10.1590/S0104-5970200600020000

Silva, Gilza da, Iglesias, Alexandra, Dalbello-Araujo, Maristela, & Badaró-Moreira, Maria Inês. (2017). Práticas de Cuidado Integral às Pessoas em Sofrimento Mental na Atenção Básica. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(2), 404-417. https://doi.org/10.1590/1982-3703001452015

Souza, Luciana Karine de, & Hutz, Claudio Simon. (2016). Self-Compassion in Relation to Self-Esteem, Self-Efficacy and Demographical Aspects. Paidéia (Ribeirão Preto), 26(64), 181-188. https://dx.doi.org/10.1590/1982-43272664201604

Vasconcelos, Eduardo Mourão. (2013). Empoderamento de usuários e familiares em saúde mental e em pesquisa avaliativa/interventiva: uma breve comparação entre a tradição anglo-saxônica e a experiência brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, 18(10), 2825-2835. https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013001000007

Vidal, Egon Ralf Souza. (2019). Efeitos da meditação sobre a atenção, as funções executivas e o desempenho escolar de crianças. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia.

Vieira, A.B.D., Alves, E., & Kamada, I. (2014). Cuidar, cuidando-se: mantendo acesa a chama em nós. Brasília: Nesprom.

World Health Organization. (2016). Shangai declaration on promoting health in the 2030. Agenda for sustainable development. 9th Global Conference on health promotion. WHO. https://www.who.int/publications/i/item/WHO-NMH-PND-17.5

Zessin, U., Dickhauser, O., & Gardabe,S. (2015). The relation between self-compassion and well-being: a meta-analysis. Applied psychology: health and well-being 7(3), 340-364. http://dx.doi.org/10.1111/aphw.12051








Copyright (c) 2021 Ana Beatriz Duarte Vieira

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.