Hanseníase: as repercussões cotidianas nas trajetórias de vida

Rafael Rodrigo da Silva Pimentel, Rafaely de Cassia Nogueira Sanches, Cremilde Aparecida Trindade Radovanovic, Marcelo José dos Santos, Márcia Glaciela da Cruz Scardoelli

Resumen

Objetivo: Compreender as repercussões das ameaças não cotidianas que vivemos com a doença. Método: Pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, utilizada na história oral temática, realizada em conjunto com nove pesos no tratamento do hansenismo. Dei a você os coletados entre maio e julho de 2016, por meio de questionamento semiestruturado, compilado por dados de identificação e uma questão norteadora. Como as entrevistas foram gravadas e posteriormente transcritas e submersas à análise de conteúdo temático-categórica. Resultados: Nós aclamamos que foram organizados em três categorias: Movimento não diário ou diagnóstico de hansenismo; Sentimentos desencadeados contra ou diagnóstico e; Ou revele diferentes maneiras de lidar com o hansenismo: estigma e preconceito.Conclusão: No caso de mudança na vida de um ataque familiar e de seus familiares, os profissionais de enfermagem, sendo acompanhamento não-tratamento, identificam e realizam ações para que um indivíduo possa lutar contra ou estigma, preconceito e exclusão social.


Palabras clave

Enfermagem em Saúde Pública; doenças negligenciadas; hanseníase; preconceito; marginalização social.

Referencias

Bardin, L (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Dako-Gyeke, M. (2018). Courtesy stigma: a concealed consternation among caregivers of people affected by leprosy. Social Science & Medicine, 196, 190–6. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2017.11.030.

Ericeira, V.V.L., Costa Filho, M.R., Aquino, D.M.C., Paiva, M.F.L., Corrêa, R.G.C.F., & Costa, L.D.L.N (2016). Sintomas depressivos secundário ou reativo em adultos doentes com hanseníase. Revista Enfermagem UFPE, 10(9), 3251-8. Recuperado de https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i9a11404p3251-3258-2016.

Grzybowski, A., Sak, J., Pawlikowski, J., & Nita, M. (2016). Leprosy: Social implications from antiquity to the present. Clinics in Dermatology. 34(1), 8–10. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.clindermatol.2015.10.009.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019). Cidades Londrina. Recuperado em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/londrina/panorama.

Luna, I.T., Bezerra, E.P., Alves, M.D.S., & Pinheiro, P.N.C (2010). Adesão ao tratamento da Hanseníase: dificuldades inerentes aos portadores. Revista Brasileira Enferm, 63(6), 983-90. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672010000600018.

Matumoto, S (2015). Meaning of leprosy for people who have experienced treatment during the sulfonic and multidrug therapy periods. Revista Latinoamericana Enferm. 23(4), 620-7. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.0323.2596.

Mendes, A. & Rodolpho, J.R.C. (2016). História oral. In: Borges, ALV & Hoga, LAK (Coords.). Pesquisa empírica em saúde. Guia prático para iniciantes (pp.78-84). São Paulo: EEUSP.

Meihy, J.C.S.B. & Holanda, F. (2013). História oral como fazer como pensar. 2nd ed. São Paulo: Editora Contexto.

Ministério da Saúde (BR) (2018). Caracterização da situação epidemiológica da hanseníase e diferenças por sexo, Brasil, 2012-2016 (Boletim Epidemiológico nº 49, vol. 4). Brasília: Autor. Recuperado em http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004-Hanseniase-publicacao.pdf.

Monte, R.S. & Pereira, M.L.D (2015). Hanseníase: representações sociais de pessoas acometidas. Revista Rene, 16(6), 863-71. Recuperado de http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/2221/pdf.

Noordende, A.T.V., Korfage, I.J., Lisam, S., Arif, M.A., Kumar, A., & Brakel, W.H.V. (2019). The role of perceptions and knowledge of leprosy in the elimination of leprosy: A baseline study in Fatehpur district, northern India. PLOS Neglected Tropical Diseases, 13(4), e0007302. Recuperado de https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0007302.

Palmeira, I.P., Queiroz, A.B.A., & Ferreira, M.A (2014). Quando o preconceito marca mais que a doença. Tempus Actas Saúde Coletetiva, 8(3), 53-66. Recuperado de http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v6i3.1163.

Pelizzari, V.D.Z.V., Arruda, G.O., Marcon, S.S., & Fernandes, C.A.M (2016). Percepções de pessoas com hanseníase acerca da doença e tratamento. Revista Rene, 17(4), 466-74. Recuperado de http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/4933.

Peters, R.M.H., Zweekhorst, M.B.M., Brakel, W.H.V., & Bunders, I.J.F.G (2016). People like me don't make things like that’: Participatory video as a method for reducing leprosy-related stigma. Global Public Health, 11(5-6), 666-682. Recuperado de https://doi.org/10.1080/17441692.2016.1153122.

Pinheiro, M.G.C., Lins, S.L.F., Gomes, B.R.S., Simpson, C.A., Mendes, F.R.P., & Miranda, F.A.N (2019). Análise contextual da atenção à saúde na alta em hanseníase: uma revisão integrativa. Revista Gaúcha Enferm, 40, e20180258. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180258.

Santos, K.S., Fortuna, C.M., Santana, F.R., Gonçalves, M.F.C., Marciano, F.M., &

Pescarini, J.M., Strina, A., Nery, J.S., Skalinski, L.M., Andrade, K.V.F., Penna, M.L.F et al. (2018). Socioeconomic risk markers of leprosy in high-burden countries: A systematic review and meta-analysis. PLOS Neglected Tropical Diseases, 12, e0006622. Recuperado de https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0006622.

Ribeiro, M.D.A., Silva, J.C.A., & Oliveira, S.B (2018). Estudo epidemiológico da hanseníase no Brasil: reflexão sobre as metas de eliminação. Revista Panamericana Salud Publica, 42, e42. Recuperado de https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.42.

World Health Organization (WHO) (‎2016). Global Leprosy Strategy 2016-2020: Accelerating towards a leprosy-free world, (Relatório). WHO Regional Office for South-East Asia. Recuperado em https://apps.who.int/iris/handle/10665/208824.








Copyright (c) 2021 Rafael Rodrigo da Silva Pimentel, Rafaely de Cassia Nogueira Sanches, Cremilde Aparecida Trindade Radovanovic, Marcelo José dos Santos, Márcia Glaciela da Cruz Scardoelli

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.