A assistência à saúde na visão de crianças e adolescentes com anemia falciforme

Ananda Rosa Borges, Ruth Irmgard Bärtschi Gabatz, Jéssica Cardoso Vaz, Viviane Marten Milbrath

Resumen

Objetivo. Conhecer a visão da criança e do adolescente com Anemia Falciforme acerca da assistência de saúde que recebe. Método. Estudo qualitativo, realizado em um serviço ambulatorial vinculado a uma instituição de ensino superior em um município do sul do Brasil. Os dados foram produzidos de maio a junho de 2017, utilizando-se a técnica mapa falante, tendo participado cinco crianças e dois adolescentes. Analisou-se os dados por meio da análise de conteúdo convencional. Resultados. A partir da interpretação dos dados foram construídas três categorias: Cuidados com a doença e seu tratamento; Acessibilidade aos serviços de saúde; Assistência durante a hospitalização. Conclusão. As crianças e os adolescentes possuem conhecimento acerca da sua patologia e do tratamento, indicando as fragilidades encontradas na assistência recebida, sendo imprescindível elaborar estratégias mais específicas as suas necessidades.

Palabras clave

Anemia Falciforme; Assistência à saúde; Enfermagem pediátrica; Criança; Adolescente

Referencias

Alston, K.J., Valrie, C.R., Walcott, C., Warner, T.D., y Fuh, B. (2015). Experiences of Pediatric Patients With Sickle Cell Disease in Rural Emergency Departments. J. pediatr. hematol. oncol, 37 (3),195- 199. https://doi.org/10.1097/MPH.0000000000000284

Azevedo, D.M., Nascimento, V.M., Azevedo, I.C., Cavalcanti, R.D., y Sales, L.K.O. (2014) Assistência de enfermagem à criança com dor: avaliação e intervenções da equipe de enfermagem. Rev. Bras. Pesq. Saúde, 16 (4), 23-31. Recuperado de http://periodicos.ufes.br/RBPS/article/view/11170/7780

Barsaglini, R.A., Paz, K.M., y Lemos, P.L. (2015). Qualidade de vida e cuidado às pessoas com doença falciforme. Interface comun. saúde educ, 19 (52),195-199. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0604

Brasil (Ministério da Saúde). (2012). Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília.

Brasil (Ministério da Saúde). (2014). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: atenção e cuidado: a experiência brasileira. Brasília.

Cabral, I.E. (2008). O método criativo sensível: alternativa de pesquisa na enfermagem. In: Gauthier, J.H.M., Cabral, I.E., Santos, I., Tavares, C.M.M. (org). Pesquisa em Enfermagem: novas metodologias aplicadas. Rio de Janeiro: Guanabara Kogan.

Figueiredo, A.K.B., Santos, F.A.V,. Sá, L.H.S., y Sousa, N.D.L. (2014). Anemia Falciforme: Abordagem Diagnóstica Laboratorial. Rev Ciênc Saúde Nova Esperança, 12 (1), 96-103. Recuperado de http:// www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/Anemia-falciforme1.pdf

Gomes, L.M.X., Pereira, I.A., Torres, H.C., Caldeira, A.P., y Viana, M.B. (2014). Acesso e assistência à pessoa com anemia falciforme na Atenção Primária. Acta Paul Enferm, 27 (4), 348-355. https://doi.org/10.1590/1982-0194201400058

Hockenberry, M.J., y Wilson, D. (2014). Wong fundamentos de enfermagem pediátrica. 9. ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Hsieh, H.F., y Shannon, S.E. (2005). Three Approaches to Qualitative Content Analisys. Qualitative health research, 15 (9), 1277-1288. https://doi.org/10.1177/1049732305276687

Maranhão, J.H., y Vieira, C.A.L. Brincar como linguagem da criança: contribuições contemporâneas. Rev. psicol, 8(2), 27-33. Recuperado de http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/ view/11734/30925

Marques, L.N., Souza, A.C.A., y Pereira, A.R. (2015). O viver com a doença falciforme: percepção de adolescentes. Rev. Ter. Ocup, 26 (1), 109-117. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26i1p109-117

Moura, F.M., Costa, Junior. A.L., Dantas, M.A.S., Araújo, G.C.B., y Collet, N. (2014). Intervenção lúdica a crianças com doença crônica: promovendo o enfrentamento. Rev Gaúcha Enferm, 35 (2), 86-92. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2014.02.41822

Nóbrega, V.M., Silva, M.E.A., Fernandes, L.T.B., Viera, C.S., Reichert, A.P.S., y Collet, N. (2017). Doença crônica na infância e adolescência: continuidade do cuidado na Rede de Atenção à Saúde. Rev. Esc. Enferm. USP, (51): e03226. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S1980- 220X2016042503226

Phillips, C., y Boyd, M.P. (2017). Perinatal and neonatal implications of sickle cell disease. Nus Womens Health, 21(6), 474-487. https://doi.org/10.1016/j.nwh.2017.10.007

Salvador, M.S., Gomes, G.C., Oliveira, P.K., Gomes, V.L.O., Busanello, J., y Xavier, D.M. (2015). Estratégias de famílias no cuidado a crianças portadoras de doenças crônicas. Texto & contexto enferm .24 (3), 662-669. https://doi.org/10.1590/0104-07072015000300014

Silva, L.L.T., Vecchia, B.P., y Braga, P.P. (2016). Adolescer em Pessoas com Doenças Crônicas: uma análise compreensiva. Rev Baiana Enferm, 30 (2), 1-9. https://doi.org/10.18471/rbe.v30i2.14281

Soares, E.P.B., Silva, D.S., Xavier, A.S.G., Carvalho, E.S.S., Cordeiro, R.C., y Araújo, E.M. (2014). Cuidar de Pessoas com Doença Falciforme na Unidade de Emergência: discurso de uma equipe multiprofissional. Cienc Cuid Saude,13 (2), 278-285. Recuperado de http://eduem.uem.br/ojs/index. php/CiencCuidSaude/article/viewFile/19505/pdf_209




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2020.58.03





Copyright (c) 2020 Ananda Rosa Borges, Ruth Irmgard Bärtschi Gabatz, Jéssica Cardoso Vaz, Viviane Marten Milbrath

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.