Os estigmas que envolvem as Crenças Religiosas e as Pessoas Vivendo com HIV

André Luís Brugger Silva, Fabiana Barbosa Assumpção de Souza, Érika Bicalho de Almeida, Márcia Pereira Gomes

Resumen

Introdução: A infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) devido a sua gravidade, principalmente pela evolução das doenças oportunistas e seu caráter pandêmico, representa um problema de saúde na atualidade. Nesse contexto a religião e a espiritualidade colaboram para o enfrentamento desse agravo a saúde. Objetivos: Analisar os estigmas que envolvem as Crenças Religiosas e as Pessoas Vivendo com HIV (PVHIV). Metodologia: Estudo transversal, descritivo de natureza qualitativa, que utilizou um roteiro de entrevista semiestruturado em 17 pacientes em tratamento no ambulatório de Imunologia de um Hospital Universitário do Rio de Janeiro. A análise qualitativa das falas utilizou o método da Análise de Conteúdo, visando à interpretação do sentido das narrativas dos participantes. Discussão: Os estigmas que envolvem a doença e o preconceito promovem mudanças comportamentais no indivíduo. Porém, as Crenças Religiosas e Espiritualidade influenciam na quebra de paradigmas e minimizam o sofrimento desses pacientes, consolidando uma rede de solidariedade envolvendo religião e paciente, o que proporciona melhorias na qualidade de vida desses indivíduos. Conclusão: As crenças religiosas foram identificadas como promotoras de mudanças de comportamento e transposição de estigmas relacionados a doença.

Palabras clave

HIV; religião; estigma e qualidade de vida

Referencias

Bousso, R. S. et al. (2011). Crenças religiosas, doença e morte: perspectiva da família na experiência de doença. Rev Esc Enferm USP, 45(2), 397-403.

https://doi.org/10.1590/S0080-62342011000200014

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2012). Censo demográfico de 2010, 1-56.

Brasil. (1996). Lei nº 9.313, de 13 de novembro de 1996. Diário Oficial da União.

Brasil, Ministério da Saúde. (2010). Adesão ao tratamento antirretroviral no Brasil: coletânea de estudos do Projeto Atar. Ministério da Saúde, 42-93.

Brasil, Ministério da Saúde. (2015). HIV e aids. Boletim Epidemiológico, 4(1), 1-100.

Brasil, Ministério da Saúde. (2016). HIV e aids. Boletim Epidemiológico, 5(1),1-64.

Brasil, Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro. (2017). Conexão saúde,1-33.

Correia, D. S. et al. (2016). A importância da religiosidade/espiritualidade na perspectiva do paciente oncológico. Rev Enferm UFP, on line, 10 (8), 2895-2905. https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000200008

Cunha, G. H. et al. (2015). Qualidade de vida de homens com AIDS e o modelo da determinação social da saúde. Rev Latino-Am Enferm, 23 (2), 91-100.

https://doi.org/10.1590/1518-8345.1258.2874

Dalgalarrondo, P. (2008). Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2. ed. Artmed.

De Diego, C. R. e Guerrero Rodríguez, M. (2018). La influencia de la religiosidad en la salud: el caso de los hábitos saludables/no saludables. Cultura de los Cuidados (Edición digital), 22(52). https://doi.org/10.14198/cuid.2018.52.15

Ferreira, D. C., Favoreto, C. A. O., Guimarães, M. B. L. (2012). The influence of religiousness on living with HIV. Interface - Comunic., Saúde, Educ, 16 (41), 383-393. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000019

Koenig, H. G. (2012). Medicina, religião e saúde. L&PM.

Kopelman, L. M. (2002). If HIV/AIDS is punishment, who is bad? J Med Philos, 27(2), 231-243. https://doi.org/10.1076/jmep.27.2.231.2987

Martins, S. S. e Martins, T. S. S. (2011). Adesão ao tratamento antirretroviral: vivências de escolares. Texto Contexto Enferm, 20 (1), 111-118.

https://doi.org/10.1590/S0104-07072011000100013

Mota, C. S. e Trad, L. A. B. (2011). A gente vive pra cuidar da população: estratégias de cuidado e sentidos para a saúde, doença e cura em terreiros de candomblé. Saúde Soc, 20 (2), 325-337. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000200006

Pio, D. P. M. et al. (2017). Hospitalization of people 50 years old or older living with HIV/AIDS. Rev Bras Enferm, 70 (4), 881-886. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0113

Silva, L. M. S., Moura, M. A. V., Pereira, M. L. D. (2013). Cotidiano de mulheres após contágio pelo HIV/aids: subsídios norteadores para a assistência de enfermagem. Texto Contexto Enferm, 22 (2), 335-342. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000200009

Unaids, Brasil. (2016). Entre na via rápida: abordagem no ciclo de vida para o HIV. UNAIDS,1-40.

Vahedi, S. (2010). World Health Organization Quality-of-Life Scale (WHOQOL-BREF): analyses of their item response theory properties based on the graded responses model. Iran J Psychiatry, 5(4),140-53.




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2020.57.03





Copyright (c) 2020 André \Luís Brugger Silva, Fabiana Barbosa Assumpção de Souza, Érika Bicalho de Almeida, Márcia Pereira Gomes

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.