Riesgo de enfermedad entre los profesionales de la construcción

Rosana Amora Ascari, Priscila Locatelli, Katrini dos Santos Conteratto, Clodoaldo Antônio De Sá, Liana Lautert

Resumen

Objetivo: Evaluar el riesgo de enfermedad presente en las actividades laborales de trabajadores de la construcción y los factores asociados con el riesgo de enfermedad en esta población.

Método: Se trata de un estudio transversal con un enfoque cuantitativo a través de este riesgo y la enfermedad del Trabajo. Participaron 75 trabajadores vinculados a una empresa en el sector de la construcción, tras la aprobación del Comité Ético de Investigación bajo CAAE N.º 22445413.3.0000.0118.

Resultados: Hubo un predominio del sexo masculino entre la educación de 18 a 28 años de edad, casada, bajo, con 6-10 años de profesión. En él se destacan los factores de las condiciones de trabajo, físico y Costo Reconocimiento Lack, que tenía opinión "negativa, grave", con la producción de costo humano y el sufrimiento en el trabajo. Resultados: Los resultados indican riesgo de enfermedad entre los profesionales de la construcción.

Conclusión: Es necesario revisar las condiciones de trabajo en la etapa de investigación con el fin de disminuir el riesgo de enfermedad entre los trabajadores de la construcción.


Palabras clave

Riesgos laborales; Salud laboral; Industria de la construcción; Enfermería del trabajo

Referencias

Barros CJ. As condições de trabalho na construção civil. Repórter Brasil, Sumaré, volume especial, 2014. 7p. Disponível em: http://reporterbrasil.org.br/wp-content/uploads/2015/02/23.-constru%C3%A7%C3%A3o_civil_ENP_baixa.pdf

Barros, PCR, Mendes AMB. Sofrimento psíquico no trabalho e estratégias defensivas dos operários terceirizados da construção civil. Psico-USF, jan/jun 2003; 8 (1): 63-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v8n1/v8n1a09.pdf

Bendassolli PF. Reconhecimento no trabalho: perspectivas e questões contemporâneas. Psicologia em Estudo, Maringá, jan./mar. 2012; 17 (1): 37-46. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v17n1/v17n1a04.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política Nacional de Segurança e Saúde do Trabalhador. Brasília, 2004. 16 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador. Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Brasília, 2012a. 20 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília; 2012b.Dieese. Rotatividade Setorial: dados e diretrizes para a ação sindical. São Paulo. 2014. Disponível em: www.dieese.org.br

Brasil. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Brasil. Ministério Público do Trabalho. Procuradoria Geral do Trabalho da 1ª Região. Trabalho na Construção Civil: Direitos do empregado, deveres do empregador e principais normas de saúde e segurança na construção de obras. [s.d.]. Disponível em: http://contricom.org.br/novoportal/images/arquivospdf/Cartilha_da_Construcao_Civil_o_Ministerio_Publico_do_trabalho.pdf

Bittencourt, NFB. O estresse no setor da construção civil. Profiscientia. Periódico Multidisciplinar do IFMT. 2011, 6: 111-131. Disponível em: http://www.profiscientia.ifmt.edu.br/profiscientia/index.php/profiscientia/article/view/70/73

Cerqueira-Santos E, Souza DA, Melo Neto OC, Rocha AC. Sexualidade do trabalhador da construção civil: percepções sobre a exploração sexual de crianças e adolescentes. Psicol. Reflex. Crit. [online]. 2012, 25 (3): 578-87. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v25n3/v25n3a18.pdf

Dieese. Perfil dos trabalhadores da construção civil no estado da Bahia. Bahia, 2012. Disponível em: http://www.dieese.org.br/projetos/informalidade/perfilConstrucaoCivilBA.pdf

Elias MA, Navarrro VL. A relação entre o trabalho, a saúde e as condições de vida: negatividade e positividade no trabalho das profissionais de enfermagem de um hospital escola [online]. 2006, 14 (4): 517-25. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n4/v14n4a08

Fernandes ACP, Carvalho CM. Análise do índice de audição de trabalhadores de uma empresa de construção civil. Revista do Instituto de Ciências da Saúde. 2012, 29 (3): 231-4. Disponível em: http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/03_jul-set/V30_n3_2012_p231a234.pdf

Fernandes ACP, Vaz AB. Perfil do índice de massa corporal de trabalhadores de uma empresa de construção civil. Revista do Instituto de Ciências da Saúde. 2012, 29 (2): 144-9. Disponível em: http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2012/02_abr-jun/V30_n2_2012_p144-149.pdf

Galon T, Marziale MHP, Souza WL. A legislação brasileira e as recomendações internacionais sobre a exposição ocupacional aos agentes. Rev. Bras. Enferm. [online]. 2011, 64 (1): 160-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n1/v64n1a23.pdf

Iriart JAB, Oliveira RP, Xavier SS, Costa MAS, Araújo GR, Santana VS. Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2008, 13 (1): 165-74. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v13n1/20.pdf

Mendes AM, Ferreira MC, Cruz RM. Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento – ITRA: Instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In: Mendes AM (Ed.). Psicodinâmica do Trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007: 111-26.

Onuka F, Arantes DF, Andrade FC, Catai RE. Análise ergonômica postural do posto de trabalho do servente na construção civil. VII Congresso Nacional de Excelência em Gestão. Rio de Janeiro 201; : (7). Disponível em: http://www.inovarse.org/filebrowser/download/8543

Ribeiro ACA, Mattos BM, Antonelli CS, Canêo LC, Goulard Júnior E. Resiliência no trabalho contemporâneo: promoção e/ou desgaste da saúde mental. Psicol. estud. [online]. 2011, v. 16, n. 4, p. 623-633. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v16n4/a13v16n4.pdf

Silva LSMT. Fatores de adoecimento nas áreas compartilhadas do Sistema Indústria. 2008. 76 f. Monografia (Especialização em Gestão de Pessoas) – Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação (FACE), Brasília, 2008.

Silva TF, Oliveira IRS. A saúde do trabalhador da construção civil: o papel do enfermeiro do trabalho na prevenção de acidentes. [Rio de Janeiro], 2012. Disponível em: http://www.redentor.inf.br/arquivos/pos/publicacoes/10082012TCC%20TERESA%20DE%20FATIMA.pdf

Soares ÉLA. Trabalho, precarização e dor: o que pensam os trabalhadores da construção civil? III Seminário de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar. São Paulo. 2012; 3 (1): 1-20. Disponível em: http://iiiseminarioppgsufscar.files.wordpress.com/2012/04/soares_erika.pdf

Souza RS. Relações de trabalho e o processo de precariedade na construção civil brasileira. Estudos do Trabalho, 2015; 9 (17): 101-22. Disponível em: http://www.estudosdotrabalho.org/A6%20RRET17.pdf

Takahashi MABC, Silva RC, Lacorte LEC, CevernyGCO, Vilele RAG. Precarização do Trabalho e Risco de Acidentes na construção civil: um estudo com base na Análise Coletiva do Trabalho (ACT). Saúde Soc. [online]. 2012, 21 (4): 976-88. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902012000400015




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2019.53.18





Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.