Programas de vigilancia de recién nacidos de riesgo: experiencias municipales brasileñas

Deisi Cardoso Soares, Luiz Augusto Facchini, Sidnéia Tessmer Casarin, Elaine Thumé

Resumen

Objetivo: Identificar los programas brasileños de vigilancia de recién nacidos de riesgo de mortalidad infantil, destacando las estrategias de funcionamiento y los criterios para inclusión.

Método: Revisión integrativa de la literatura en la base de datos Medical Literature Analysis and Retrieval System Online, Literatura Latino-americana y del Caribe en Ciencias de la Salud y en el portal de revistas electrónicas Scientific Eletronic Library Online. Fueron seleccionados los artículos que abordaban la descripción de los criterios de inclusión en programas de vigilancia de recién nacido de riesgo y el funcionamiento de los mismos. No fueron incluidos los editoriales o cartas al editor, artículos de opinión, resúmenes presentados en anales, tesis o disertaciones.

Resultados: Diecisiete artículos describieron la experiencia de ocho programas, en cuatro estados brasileños, de las regiones Sur y Sudeste. La identificación de los recién nacidos fue a través de entrevistas en las maternidades o de la Declaración de Nacidos Vivos. Los criterios utilizados incluían riesgos biológicos y sociales, con evidencia para precocidad, bajo peso al nacer, edad y escolaridad materna.

Conclusiones: Los artículos sobre el tema son escasos y entre los factores de riesgo identificados, la mayoría es susceptible de modificación en acciones asociadas al cuidado pre-natal y educación en salud.


Palabras clave

Recién nacido; factores de riesgo; vigilancia en salud pública

Referencias

Avellar, A.S. & Supplee, L.H. (2013). Effectiveness of Home Visiting in Improving Child Health and Reducing Child Maltreatment. Pediatrics, 132 (2), 90-99. Recuperado de http://pediatrics.aappublications.org/content/132/S upplement_2/S90. -

Baldin, P.E.A. & Nogueira, P.C.K. (2008). Fatores de risco para mortalidade infantil pós-neonatal. Rev Paul Pediatr, 26(2),156-60. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rpp/v26n2/a11v26n2.pdf.

Barreto, M.S., Silva, R.L.D.T. & Marcon, S.S. (2013). Morbidade em crianças menores de um ano consideradas de risco: estudo prospectivo. Braz J Nurs, 12 (1), 5-18. Recuperado de http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/a rticle/view/3999.

Cesar, C.L.G. (1995). O Enfoque de Risco na Programação em Saúde. São Paulo: Painel de debate.

Ministério da Saúde. (2004). Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2011). Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012a). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012b). Monitoramento de indicadores de qualidade dos Sistemas de Informações sobre Mortalidade (SIM) e Nascidos Vivos (SINASC), nos anos 2000, 2005 e 2010. In: Ministério da Saúde. (2012b). Departamento de Análise de Situação de Saúde. Saúde Brasil. Uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012c). Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2012d). Mortalidade infantil no Brasil: tendências, componentes e causas de morte no período de 2000.Análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2014). Humanização do parto e do nascimento. Cadernos HumanizaSUS. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2015). Departamento de informática do SUS (Datasus). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/c01b.htm.

Ministério da Saúde. (2015b). Departamento de informática do SUS (Datasus) Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sina sc/cnv/nvuf.def.

Ministério da Saúde. (2015c). Departamento de informática do SUS (Datasus) Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sim/ cnv/inf09uf.def.

Ministério da Saúde. (2015d). Departamento de informática do SUS (Datasus). Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/cadernos/cad ernosmap.htm.

Frias, P.G., Mullachery, P.H. & Giugliani, E.R.J. (2009). Políticas de saúde direcionadas as crianças brasileiras: breve histórico baseado na oferta de serviços de saúde. In: Ministério da Saúde (2009). Saúde Brasil 2008: 20 anos de Sistema único de Saúde (SUS) no Brasil. Estatísticas e Informação em saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Ganong, L. H. (1987). Integrative reviews of nursing research. Res Nurs Health, 10(1), 1-11.

Geib, L.T.C., Fréu, C.M., Brandão, M. & Nunes, M.L. (2010). Determinantes sociais e biológicos da mortalidade infantil em coorte de base populacional em Passo Fundo, Rio Grande do Sul. Ciênc Saúde Coletiva, 15(2), 363-370. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n2/v15n2a11.pdf.

Goulart, L.M.H.F., Xavier, C.C., Goulart, E.M.A., Somarriba, M.G., Almeida, C.G. & Costa, A.L.D.G. (2003). Avaliação da ação de vigilância à morbimortalidade na periferia de Belo Horizonte, Minas Gerais. Rev Saúde Matern Infant, 3(3), 291-304. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v3n3/17924.pdf.

Hartz, Z.M.A., Champagne, F., Leal, M.C. & Contandriopoulos, A.P.(1996). Mortalidade infantil “evitável” em duas cidades do Nordeste do Brasil: indicador de qualidade do sistema local de saúde. Rev Saúde Pública, 30 (4), 310-8. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v30n4/5081.pdf.

Hernandez, A.R., Silva, C.H., Agranonik, M., Quadros, F.M. & Goldani, M.Z.(2011) Análise de tendências das taxas de mortalidade infantil e seus fatores de risco na cidade de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, no período de 1996 a 2008. Cad Saúde Pública, 27(11), 2188-2196. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n11/12.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Brasil em síntese. Recuperado de http://brasilemsintese.ibge.gov.br/populacao/taxas -de-fecundidade-total.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). (2014). Objetivos de desenvolvimento do milênio: relatório nacional de acompanhamento. Brasília: Ipea: MP, SPI. Recuperado de http://www.pnud.org.br/Docs/5_RelatorioNaciona lAcompanhamentoODM.pdf.

Lopes, M.C.L., Santander, C.A. & Marcon, S.S. (2010). Acompanhamento dos recém-nascidos de risco de uma Unidade Básica de Saúde de MaringáPR. Rev. RENE, 11(1), 114-24.

Luhm, K.R. (2001). O enfoque de risco na organização de serviços de saúde materno-infantil: avaliação do modelo preditivo utilizado pelo Programa “Nascer em Curitiba Vale a Vida”. [Tesis de maestria]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP.

Luque, A.L.F., Lima, C.M.G., Carvalhaes, M.A.B.L., Tonete, V.L.P. & Parada, C.M.G. L. (2011). Avaliação da atenção ao recém-nascido de risco, na perspectiva de uma política pública de saúde. Rev. Latino-am. Enfermagem,19(2), 2838.

Machado, M.E. (2003). Atenção à saúde prestada ao recém-nascido de risco no primeiro ano de vida: um estudo na perspectiva do Programa Prá-Nenê. Bol Saúde, 17 (1), 21-38.

Manoel, C.M., Carandina, L,. & Giarola, L.C. (2006). Programa de vigilância ao recém-nascido de risco: ações desenvolvidas no Centro de Saúde Escola de Botucatu, São Paulo. Rev Paul Pediatria, 24(3), 227- 32.

Marques, F.B., Teston, E.F., Barreto, M.S., Furlan, C.R. & Marcon, S.S. (2010). A rede social em famílias com recém-nascidos de risco durante o primeiro ano de vida: um estudo descritivo exploratório. Braz J Nurs, 9(2), 122-130.

Melo, W.A. & Uchimura, T.T. (2011). Perfil e processo da assistência prestada ao recém-nascid de risco no Sul do Brasil. Rev Bras Epidemiol, 14(2), 37- 323.

Nascimento, R.M., Leite, A.J.M., Almeida, N.M.G.S., Almeida, P.C. & Silva, C.F. (2012). Determinantes da mortalidade neonatal: estudo caso-controle em Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública, 28(3), 559-572.

Neto Siedersberger, P., Zhang, L., Nicoletti, D. & Barth, M. F. (2012). Mortalidade infantil por malformações congênitas no Brasil, 1996-2008. Rev AMRIGS, 56 (2), 129-132. Recuperado de http://www.amrigs.org.br/revista/56- 02/original5.pdf.

Organização das nações unidas (ONU). (2000). Resolução A/RES/55/2 de 8 de Setembro de 2000. Dispõe sobre a Declaração do Milênio.

Paiva, N.S.T., Anselmi, M.L. & Santos, C.B. (2002). Projeto “Viver em Cascavel”: Análise do fluxo de informações. Rev Latino-am Enfermagem, 10(4): 537- 43.

Portal ODM. (2014). Acompanhamento brasileiro dos objetivos do milênio. Sistema de relatórios dinâmicos dos objetivos de desenvolvimento do milênio. Recuperado de http://www.relatoriosdinamicos.com.br/portalod m/4-reduzir-a-mortalidade-infantil.

Rossetto, E.G. & Pizzo, L.G.P. (2007). Avaliação do programa de vigilância do recém-nascido de londrina-Paraná. Cienc Cuid Saude, 6(2), 148-156. Recuperado de http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/Cien cCuidSaude/article/view/4147.

Rumel, D., Filho, D.C.C., Alello, S., Koyama, M. & Rosenbaun, W. (1992). Acurácia dos indicadores de risco do Programa de Defesa da Vida dos Lactentes em região do estado de São Paulo. Rev Saúde Publica, 26(1): 6-11. Recuperado de http://www.scielosp.org/pdf/rsp/v26n1/02.pdf.

Sassá, A.H., Higarashi, I.H., Bercini, L.O., Arruda, D.C. & Marcon, S.S. (2011). Bebê de risco: acompanhando o crescimento infantil no primeiro ano de vida. Acta Paul Enferm. 24(4), 541-9.

Tonini, N.S., Tomazzoni, M.I., Maraschin, M.S. & Schneider, J.F. (2002). Identificação e análise dos fatores de risco biológicos e sociais das crianças nascidas em Cascavel-Paraná. Arq Ciênc Saúde Unipar, 6(1), 25-28.

Vettore, M.V., Gama, S.G.N., Lamarca, G.A., Schilithz, A.O.C. & Leal, M.C. (2010). Housing conditions as a social determinant of low birthweight and preterm low birthweight. Rev Saúde Pública, 44(6). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n6/1739.pdf.

Viana, A.L.D. & Poz, M.R.D. (2005). A reforma do sistema de saúde no Brasil e o Programa Saúde da Família. Rev. Saúde Coletiva, 15(Suplemento), 225- 264. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/physis/v8n2/02.pdf.

Victora, C., Barros, F., Matijasevich, A. & Silveira, M. (2013). Pesquisa para estimar a prevalência de nascimentos pré-termo no Brasil e explorar possíveis causas. Recuperado de http://www.unicef.org/brazil/pt/br_prematuridad e_possiveis_causas.pdf.

Victora, C.G., Aquino, E.M.L., Leal, M.C., Monteiro, C.A., Barros, F.C. & Szwarcwald, C.L. (2011). Saúde de mães e criança no Brasil: progressos e desafios. Lancet. Recuperado de http://www.abc.org.br/IMG/pdf/doc-574.pdf.

Zani, A.V., Merino, M.F.G.L., Teston, E.F., Serafim, D., Tsukuda, S.M. & Marcon, S. S. (2011). Recémnascido de risco na percepção da mãe adolescente. Rev. RENE, 12(2), 279-86.

Zurita, R.C.M., Melo, W.A., Santana, R.G., Marcon, S.S. & Uchimura, T.T. (2010). Análise de correspondência para avaliação dos registros das informações dos recém-nascidos de risco. Rev Gaucha Enferm, 31(4), 623-32.

Zurita, R.C.M, & Uchimura, T.T. (2007). Programa de vigilância ao recém-nascido de risco no município de Maringá-Paraná. 2007. Saud Pesq, 4(1), 55-60 REDACADEMICA.




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2019.53.30





Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.