Salud en las Prisiones: lo que hablan los trabajadores de enfermería

Fernanda de Jesus dos Santos Nanda

Resumen

Objetivo: Analizar la asistencia sanitaria prestada a las personas menores de confinamiento en el sistema penitenciario en la vista de la enfermería.

Metodología: Estudio exploratorio, un enfoque cualitativo para analizar la discusión de los participantes, a partir de la pregunta orientadora: ¿De qué manera el personal de enfermería percibe la asistencia sanitaria ofrecida en el sistema penitenciario? La recolección de datos se realizó a través de entrevistas grabadas con la firma de los términos de consentimiento libre e informado, realizado en abril de 2014, con 21 miembros del personal de enfermería del complejo penitenciario de Maceió-AL, tal como fue aprobado por el Comité de Ética y Investigación Plataforma UFAL vía Brasil y por el CAAE No 25016814.6.0000.5013, recibiendo consentimiento a la publicación del mismo Protocolo 560 840.

Resultados: En el análisis de las entrevistas, surgieron tres categorías: Muchas dificultades, algunos privilegios; El estrés, el miedo y la participación; La atención de la salud de fuerza institucional.

Conclusión: Este estudio contribuye al conocimiento sobre el tema en cuestión, y el debate sobre la atención de salud ofrecida en el sistema penitenciario a fin de mejorar la prestación de servicios y atención las personas privadas de libertad.


Palabras clave

la cárcel; cuidado de la salud; enfermería; la salud pública

Referencias

Andrade, J. M. S.; Silva, A. K. L.; Figueiró, R. A. (2013) O sistema prisional e o trabalho do agente penitenciário: reflexões sobre o trabalho no cárcere. In: Figueiró, R. A.; Figueiró, E. S. S.; Minchoni, T. (Org.). Saúde e sistema prisional: impasses e possibilidades no Rio Grande do Norte. Natal: Edunp,160p. Disponível em: http://edunp.unp.br/pdf/SistemaPrisional.pdf. Baixado em: 16 mai. 2014.

Assis, R. D. (2007) A realidade atual do sistema penitenciário brasileiro. Revista CEJ. Brasília, v. 11, n. 39, out./dez.

Assunção, C. H. V. (2010) A saúde da mulher: a situação das encarceradas do Presídio Feminino de Florianópolis. 64f. Monografia (Bacharelado em Serviço Social) - Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC, Florianópolis.

Bardin, L. (2011) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (1988) Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Baixado em: 24 set. 2013.

Brasil. (2003) Portaria Interministerial n° 1777, de 09 de setembro de 2003. Dispõe sobre o Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Brasília. Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_1777.pdf. Baixado em: 24 set. 2013.

Capitani, R. (2012) O meio ambiente prisional brasileiro e a saúde do preso: um estudo no Presídio Estadual de Bento Gonçalves. 129f. Dissertação (Mestrado)- Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Direito.

Cardoso, D. R.; Araújo, S. T. C. (2013) Enfermagem no sistema prisional: o significado da comunicação pelos sentidos do corpo. In: 17º SENPE- Seminário de Pesquisa em Enfermagem, 2013, Natal/ RN. O clássico e o emergente: desafios da pesquisa em enfermagem, Jun. Disponível em: http://www.abeneventos.com.br/anais_senpe/17senpe/pdf/0055pr.pdf. Baixado em: 24 nov. 2013.

Carvalho, A. L. et al. (2006) Perfil dos internos no sistema prisional do Rio de Janeiro: especificidades de gênero no processo de exclusão social. Ciência Saúde Coletiva. V.11, n.2, p. 461-71, abr./jun. ISSN 1413-8123.

Cavalcanti, V. M. (2012) Dupla privação: a realidade de apenados com deficiência física em presídios na Paraíba. 68f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) – Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde.

Christoff, M. U. (2007) Saúde e cárcere: micro-unidades penitenciárias de atendimento hospitalar, no Rio Grande do Sul. 243f. Tese (Doutorado)- Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cutolo, L. R. A. (2001) Estilo de pensamento em educação médica – um estudo do currículo do curso de graduação em medicina da UFSC. 227f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Diuana, V. et al. (2008) Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.24, n.8, p. 1887-1896. ISSN 0102-311X.

Dominguez, B. (2012) Uma política para garantir o direito à saúde no sistema prisional. Revista Radis. N. 118, junho, 2012. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/radis/revista-radis/118/reportagens/uma-politica-para-garantir-o-direito-saude-no-sistema-prisional. Baixado em: 20 out. 2013.

Eugênio, M. R. (2012) A práxis do profissional enfermeiro no sistema penitenciário. 31f. Monografia (Graduação em Enfermagem) - Curso de Enfermagem da FAG – Faculdade Assis Gurgacz, Cascavel.

Gil, A.C. (2008) Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gil, C. R. R. (2005) Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21. n. 2, mar./abr. ISSN 0102-311X.

Gomes, R. (2002) A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: Minayo, M.C.S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes; p. 67-80.

Leal, S. M. C.; Lopes, M. J. M. (2005) A violência como objeto da assistência em um hospital de trauma: "o olhar" da enfermagem. Ciênc. saúde coletiva. V.10, n.2, p.419-431. ISSN 1413-8123.

Mariath, C. R.; Rita, R. P. S. (2010) Polícia penitenciária: reflexo do sistema penal simbólico. Jus Navigandi, Teresina, ano 15, n.2602. Disponível em: http://jus.com.br/artigos/17184. Baixado em: 22 mar. 2014.

Minayo, M. C. S. (2010) Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 29ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Vozes.

Paim, J. S. (2001) Modelos assistenciais: reformulando o pensamento e incorporando a proteção e a promoção da saúde. Disponível em: http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/6168. Baixado em: 16 mai. 2014.

Santos, F. S. (2012) Cuidados aprisionados: Repercussões na saúde do trabalhador de enfermagem do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico. 125f. Dissertação (Mestrado Profissional Enfermagem Assistencial)- Universidade Federal Fluminense/ UFF, Niterói.

Santos, M. L. S. C.; Souza, F. S.; Santos, C. V. S. C. (2006) As marcas da dupla exclusão: experiências da enfermagem com o psicótico infrator. Texto contexto - enferm. V.15, p.79-87. ISSN0104-0707.

Santos, N.; Veiga, P.; Andrade, R. (2011) Importância da anamnese e do exame físico para o cuidado do enfermeiro. Rev. bras. enferm.V.64, n.2, p. 355-58. ISSN 0034-7167.

Savazzoni, S. A. (2010) Dignidade da pessoa humana e cumprimento de pena das pessoas com deficiência. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da PUC-SP, v. 3. ISSN 1984-1094.

Silva Júnior, A.; Alves, C. A. (2007) Modelos Assistenciais em Saúde: desafios e perspectivas. In: Morosini, M. V. G. C.; Corbo, A. D. A. (Org). Modelos de atenção e a saúde da família. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, p 27-41. Disponível em: http://www.uff.br/tcs2/images/stories/Arquivos/textos_gerais/4_Modelos_Assistenciais_em_Sade_-_Aluisio_G._da_Silva_Jr_e_Carla_A._Alves.pdf. Baixado em: 16 mai. 2014.

Silva, E.L. (2005) Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. – Florianópolis: UFSC.

Souza, M. O. S. (2006) A Prática de enfermagem no sistema penal: limites e possibilidades. 63 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Souza, M. O. S.; Passos, J. P. (2008) A prática de Enfermagem no Sistema Penal: limites e possibilidades. Esc. Anna Nery. Rev. Enferm. V.12, n.3, p. 417-23. ISSN 1414-8145.




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2015.41.14





Copyright (c) 2015 Fernanda de Jesus dos Santos Nanda

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.