La atención de la salud de la población masculina en los tiempos de la Política Nacional de Atención Integral a la Salud de los hombres: lo que ellos hablan

Maria Elizabete Rodrigues Viana Bete, Maria Elizabete Bete

Resumen

Este estudio tuvo como objetivo analizar la relación del hombre con su atención médica. A pesar de que hay avances en la asistencia sanitaria, muchos hombres tienen la idea de que los servicios de Unidades Básicas de Salud (UBS) están destinados a las mujeres, niños y ancianos. Este fue un estudio cualitativo, exploratorio / descriptivo, ya que los sujetos tenían 20 hombres inscritos en UBS, cuyos testimonios fueron recogidos a través de una entrevista semiestructurada, y todas grabadas y transcritas para su posterior análisis e interpretación. Los resultados mostraron que la cultura establecida históricamente que el hombre es ser fuerte y que, por tanto, cualquier signo de enfermedad o incluso un comportamiento con el cuidado de la salud demuestra su vulnerabilidad, sólo contribuye a hacer de la mala salud; la vida cotidiana del ser influencia masculina en el debilitamiento o la eliminación de los hombres en cuestiones de auto-cuidado y la búsqueda de servicios de salud; y que todos los hombres encuestados no son conscientes de la Política Nacional de Atención Integral a la Salud de los Hombres. El estudio contribuye a la reflexión sobre la Estrategia de Salud de la Familia a plazo para la planificación de acciones para mejorar la atención de la salud del hombre.


Palabras clave

salud del hombre; política; enfermería; atención primaria

Referencias

Aguiar, M. C.; Almeida, O. S. (2012) A implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem no Brasil: um desafio para a saúde pública. Diálogos & Ciência, n. 30, p. 144-147, Jun. ISSN 1678-0493.

Alves, R. F. et al. (2011) Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Psicol. teor. prat., vol.13, n.3, pp. 152-166. ISSN 1516-3687.

Brasil. (2008) Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília. Baixado em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_homem.pdf>. Acesso em: 26/09/13.

Brasil. (2009) Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem -princípios e diretrizes. Brasília (DF): Ministério da Saúde. Baixado em: <http://www.unfpa.org.br/Arquivos/saude_do_homem.pdf>. Acesso em: 26/03/14>. Acesso em: /03/11/13.

Brito, R. S.; Santos, D. L. A. (2010) Homens e Ações Preventivas em Saúde: Revisão Sistemática de Literatura. Revista de Enfermagem. Baixado em: 15/01/14 .

Couto, M. T. et al. (2010) O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Comunicação Saúde Educação, v.14, n.33, p.257-70, abr./jun.

Duarte, S. J. H.; Oliveira, J. R.; Souza, R. R. (2012) A Política Saúde do Homem e sua operacionalização na Atenção Primária à Saúde. Revista Eletrônica Gestão & Saúde, v 03, n. 01, p. 520-530.

Figueiredo, W. S. (2008) Masculinidade e Cuidado: diversidade e necessidades de saúde dos homens na atenção primária. São Paulo. Faculdade de medicina de São Paulo, Tese (doutorado).

Gomes, R. (2003) Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciência & Saúde Coletiva, v.8, n.3, p.825-829.

INCA. (2008) Disponível em: < http://www.inca.gov.br/estimativa/2008/sintese-de-resultados-comentarios.asp>: Baixado em 18/04/14.

Knauth, D. R.; Couto, M. T.; Figueiredo, W. S. (2012) A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n.10, p.2617-2626.

LEAL, A. F.; FIGUEIREDO, W. S.; SILVA, G. S. N. O percurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Homens (PNAISH),desde a sua formulação até sua implementação nos serviços públicos locais de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n.10, p.2607-2616, 2012.

Leopardi, M.T. (2002) Metodologia da pesquisa na saúde. Rev. e atual. Florianópolis: UFSC; 2. ed.

Maciel, P. S. O. (2009) O homem na estratégia de saúde da família. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Natal/RN.

Mendonça, V. S.; Andrade, A. N. (2010) A Política Nacional de Saúde do Homem: necessidade ou ilusão?. Psicologia política, vol. 10, n. 20, p. 215-226, jul. –dez.

Minayo, M. C. S. (2010) O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: HUCITEC.

Noca, N. J. M. S. (2011) Produções discursivas sobre saúde e masculinidades em um serviço público de atenção à saúde dos homens. Programa de Pós-graduação em Psicologia – UFPE. Recife.

Oliveira, G. R. et al. (2013) A integralidade do cuidado na saúde do homem: um enfoque na qualidade de vida. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade, v. 8, n. 28, p. 208-12. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(28)676. Baixado em: 26/03/14.

Rodrigues, J. F.; Ribeiro, E. R. (2012) O homem e a mudança de pensamento em relação à sua saúde. Caderno Saúde e Desenvolvimento, n.1, jul- dez.

SILVA, P. A. S. et al. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v.16, n. 3, p. 561- 568, jul-set.

Silva, S. O et al. (2012) Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: conceitos e reflexões relevantes para a sua efetivação. II Jornada Internacional de Enfermagem UNIFRA.

Strey, M. N.; Kohn. K. C. (2012) Nas Trilhas (des)conhecidas da saúde: a política pública de saúde para os homens no Brasil. Psicología Conocimiento y Sociedad, Porto Alegre, v.2, n 2, p. 220-239, noviembre. Revisiones ISSN: 1688-7026.




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2015.41.16