Aplicação do cuidado baseado na teoria de Orem ao paciente ostomizado

Francielly Anjolin Lescano, Tuany de Oliveira Pereira, Fernanda Maria Souza Juliano, Patrícia Rodrigues da Silva de Almeida Paz, Edivania Anacleto Pinheiro Simões

Resumen

Estomia intestinal é realizada para desviar o trânsito intestinal para o exterior do corpo, o autocuidado do sujeito é fundamental para o seu processo de bem-estar físico e psicossocial, visto que ocorre mudança na imagem corporal. Objetivo: relatar a experiência da prática da sistematização da assistência de enfermagem, com base nas demandas terapêuticas de autocuidado de acordo com a teoria de Orem. Método: Trata-se de um estudo descritivo, tipo relato de experiência das residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Cuidados continuados integrados na área de concentração em atenção à saúde do idoso no estado de Mato Grosso do Sul (MS). Relato de Caso: Cliente 58 anos, branco, casado, profissão vendedor, com diagnóstico médico de choque séptico de foco abdominal. Discussão: A equipe multiprofissional nesse âmbito insere no contexto hospitalar uma nova visão do cuidado, tendo como uma das funções costurar o sujeito fragmentado pela medicina, e romper o modelo cartesiano ainda existente no imaginário dos profissionais. Considerações finais: O conhecimento da equipe multiprofissional acerca da legislação que regulamenta o atendimento das pessoas com estomias é de extrema importância, uma vez que, essa equipe deve desempenhar suas ações com eficiência e eficácia à luz do que a legislação preconiza.

Palabras clave

Assistência ao paciente; Autocuidado; colostomia; equipe de assistência ao paciente; humanização da assistência

Referencias

Amante, LN., Rossetto, AP. e Dulcinéia, GS (2009). Sistematização da Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada pela teoria de Wanda Horta. Revista da Escola de Enfermagem da USP. N.1, 2009, p. 54-64. https://doi.org/10.1590/S0080-62342009000100007

Antonio, OS. (2016). O estoma: investigação psicanalítica-existencial do sofrimento psíquico e sua modalização. (Tese de Doutorado)- Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/21754/1/2016_PrisciladaSilvaAntonio.pdf

Antunes, R. (2002). Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas, São Paulo. Editora: Cortez.

Barbutti, RCS., Silva, MC. e Abreu, MAL. (2008). Ostomia, uma difícil adaptação. Revista Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar. N.2, dezembro de 2008, p. 27-37.

Brasil, KCTR. (2005). Corpo e sensação na clínica psicossomática: uma investigação teórico clínica exploratória dos pacientes portadores de psoríase. (Tese Doutorado em Psicologia Clínica) - Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília: Brasília.

Brasil. (2012). PORTARIA Nº 400, de 16 de novembro de 2009. Institui organização do Serviço de Atenção às Pessoas Ostomizadas no âmbito do Sistema Único de Saúde, Brasília, DF, dezembro de 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2009/prt0400_16_11_2009.html

Brasil (2015). LEI 13.146/2015 (LEI ORDINÁRIA) de 06 de junho de 2015. Institui a Lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF, junho de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm

Castilho, NC., Ribeiro, PC. e Chirelli, MQ (2009). A implementação da sistematização da assistência de enfermagem no serviço de saúde hospitalar do Brasil. Revista Texto & Contexto Enfermagem. N.2, abril-junho de 2009, p. 280-289. https://doi.org/10.1590/S0104-07072009000200011

Carvalho, AORM., Budó, MLD., Silva, MM., Alberti, GF. e Simon, BS (2015). "Com um pouco de cuidado a gente vai em frente": vivências de pessoas com estomia. Revista Texto & Contexto Enfermagem. N.1, janeiro-março de 2015, p. 279-87. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v24n1/pt_0104-0707-tce-24-01-00279.pdf.

Cerezetti, CR. (2012). Orientações Psicológicas e capacidade reativa de pessoas ostomizadas e seus familiares. Revista O mundo da Saúde. N.2, 2012, p. 332-339. https://doi.org/10.15343/0104-78092012362332339

Coelho, AR., Santos, FS. e Poggetto, MTD. (2013). A estomia mudando a vida: enfrentar para viver. Revista Mineira de Enfermagem. N.2, abril-junho de 2013, p. 258- 267. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/649

Dell'Acqua, MCQ., Palhares, VC. e Miranda, JS. (2017). Processo de cuidar de indivíduos adultos com estomias. In Associação Brasileira de Enfermagem; Bresciani H.R, Martini J.G, Mai L.D, organizadores. PROENF Programa de Atualização em Enfermagem: Saúde do Adulto: Ciclo 11. Porto Alegre, Brasil. Editora Artmed Panamericana.

Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. Porto Alegre, Brasil. Editora: Artmed.

Fingermann, D. (2007). O que falar quer dizer?. Revista Ide. N.45, dezembro de 2007, p. 24-27.

Hartweg, DL. e Pickens, J (2016). A Concept Analysis of Normalcy within Orem's SelfCare Deficit Nursing Theory. Self-Care, Dependent-Care & Nursing. N.1, 2016, p. 4-13. Disponível em: http://journalofagingandinnovation.org/wp-content/uploads/6-Autocuidado-forma%C3%A7%C3%A3o.pdf

Rocha, JJR. (2011). Estomias intestinais- (ileostomias e colostomias) e anastomose intestinais. Medicina Ribeirão Preto. Revistas Universidade de São Paulo. N.1, 2011, p. 51-6. https://doi.org/10.11606/issn.2176-7262.v44i1p51-56

Santos, B., Ramos, A. e Fonseca, C. (2017). Da formação à prática: Importância das Teorias do Autocuidado no Processo de Enfermagem para a melhoria dos cuidados. Journal of Aging & Innovation. N.1, abril de 2017, p. 51-54. Disponível em: http://journalofagingandinnovation .org/wp-content/uploads/6-Autocuidado-forma%C3%A7%C3%A3o.pdf

Silva, J; Sonobe, HM; Buetto, LS; Santos, MG; Lima, MS; Sasaki, VDM (2014). Estratégias de ensino para o autocuidado de estomizados intestinais. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste. N.1, janeiro-fevereiro de 2014, p.166-73.

Silva, ES; Castro, DS; Garcia, TR; Romero, WG; Primo, CC. Tecnologia do cuidado à pessoa com colostomia: diagnósticos e intervenções de enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem. 2016, 20: e 931. https://doi.org/10.5935/1415-2762.20160001

Tomey, AM.. e Alligood, MR. (2004). Teóricas de enfermagem e a sua obra: Modelos e teorias de enfermagem. Portugal. Editora: Lusodidacta.

Vaz, AIA; Costa, R. (2015). Mulheres e as influências afetivas no adoecimento hipertensivo. Psicologia Revista. N.1, 2015, p. 83-106. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/psicorevista/article/view/24230/17440




DOI: https://doi.org/10.14198/cuid.2020.57.20





Copyright (c) 2020 Francielly Anjolin Lescano, Tuany de Oliveira Pereira, Fernanda Maria Souza Juliano, Patrícia Rodrigues da Silva de Almeida Paz, Edivania Anacleto Pinheiro Simões

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.